Bombas de Piscinas, o que deve saber

Como é que a minha bomba de piscina funciona?

A maior parte das bombas de piscina são centrífugas. Estas bombas de piscina terão de ter uma câmara de vácuo, conhecidas como as câmaras de casas. As bombas de vácuo terão de ser cheias de água de forma a criar o respectivo vácuo, de forma a que a bomba empurre a água para a sua piscina. O compartimento de água, ficará totalmente cheio quando está ligado, mas quando está desligado, poderá ficar parcialmente cheio ou não.

Quando ligar o motor da sua bomba de piscina, ele começará a rodar a alta velocidade. O motor que controla o rotor da bomba, está localizado no centro da bomba de piscina com acesso traseiro externo, sempre longe da parte eléctrica que faz a bomba de piscina funcionar. Enquanto o motor da piscina está em funcionamento, as extremidades do rotor são isoladas hidraulicamente dentro do respectivo motor da bomba de piscina.

O difusor da bomba de piscina ajuda a eliminar o ar que está a mais dentro do compartimento da bomba de piscina, usando técnicas de sucção, mangueiras ou outros aparelhos. Quando o ar é totalmente removido, verá pequenas bolhas a virem ao cimo da piscina.  O impulsor da bomba de piscina serve para transformar a velocidade da água em pressão de água, o que fica registado de forma a poder ser controlado, no medido de pressão, localizado no filtro. A velocidade dos GPM (Galões por minuto) variam consoante o motor que dispõem e a sua potencia.

Bombas de piscina com preparação automática são por norma simples em design e bastante fáceis de utilizar. Para trabalhar, precisam apenas da quantidade suficiente de água e nenhum ar nos filtros de comunicação do circuito. O ar que por vezes aparece, sem sabermos de onde, poderá vir de pequenas brechas no sistema, uma pequena fuga, ou até um pequeno estrago que afecte o isolamento dos tubos.

Para ter a sua piscina e os respectivos dispositivos sempre a funcionar a 100%, deverá escolher cuidadosamente o local onde irá instalar, nunca a deixar muito suja, fazer manutenção semanal e ter cuidados para quando há temporal, chuvas fortes, ventos fortes, etc., já que poderá entupir o motor da sua bomba de piscina e este tipo de avaria, por norma, não está coberto pela garantia.

A minha Bomba de Piscina funciona sem água?

A grande maioria de bombas de piscina, nunca deveria ser ligada sem água no circuito. Um dos principais problemas nas bombas de piscina, é o seu sobreaquecimento e problemas de líquidos drenados devido a essa condição, funcionar sem água, apenas ar e movimento.

Quantas horas por dia devo ter a Bomba de Água da Piscina a funcionar?

Depende de vários factores, poderá depender do tamanho da sua piscina, uso que lhe dá, eficácia da sua bomba de piscina, a quantidade de água que provêm do filtro, etc. Por norma, em casos considerados normais, com piscinas médias e bombas de qualidade standard, o ideal será deixar a bomba a funcionar no Verão entre 8 a 10 horas e no Inverno de 6 a 8 horas.

Preciso de proteger a Bomba e a Piscina da chuva e da neve?

Se tiver durante o Inverno uma chuva pesada e perigosa, o melhor será pensar em adquirir uma protecção para a sua bomba de piscina. Mas tenha atenção, caso use uma protecção, tenha a certeza que essa protecção dá suficiente dissipação ao motor de forma a não fazer com que avarie. Durante a neve, é aconselhável que arranje algo que proteja a bomba ou até que a traga para dentro de casa e arranje forma de a proteger, para não avariar os componentes eléctricos e as articulações internas da bomba.

Porque é que a conta da luz aumento desde que construí a Piscina?

As bombas de piscinas consomem energia e quanto maior a bomba, maior o seu consumo para funcionar correctamente. Mesmo assim, alguns sistemas de limpeza de piscina, costumam demorar cerca de 24 horas para a limpeza total, o que aumenta significativamente. Uma alteração no seu sistema de energia, poderá poupar até 15% do gasto e ter a mesma acção, limpeza e funcionamento da sua piscina.

Pequenas Piscinas insufláveis e piscinas de plástico podem espalhar doenças

Piscinas pequenas insufláveis e piscinas de plástico (normalmente 3 a 5 pés de diâmetro) ou, outros pequenos brinquedos para brincar na água (por exemplo, escorregas) têm sido associados há propagação de doenças de ‘divertimento na água’ (RWIs). RWIs podem ser transmitidas por ingestão ou por ter contacto com água de recreio. Estas doenças são causadas por micróbios, como o Crypto (abreviação de Cryptosporidium), E. coli O157: H7, e Shigella.

Estas pequenas piscinas insufláveis e de plástico são geralmente abastecidas com agua da torneira. Algumas pessoas nos Estados Unidos têm um desinfectante na água da torneira, mas isso não é suficiente para matar os micróbios que podem entrar na água utilizada para a natação.

Existem, fontes de informação sobre como desinfectar estas piscinas.

Pode não ser prático acrescentar cloro de piscina à água destas piscinas para matar os micróbios, isto é, porque a dose de cloro não pode ser facilmente determinada ou a sua segurança monitorizada para garantir que a quantidade correcta de cloro permaneça continuamente na água. Estas piscinas também não têm filtros para remover as partículas que poderiam impedir que o cloro funcionasse correctamente. O uso de pequenas piscinas insufláveis ou de piscinas de plástico em programas para entretenimento de crianças ou nas escolas deve ser desencorajada, pois corre o risco de apanhar doenças trazidas para dentro da água por outras crianças. Maior o número de crianças de diferentes famílias em sítios de cuidados infantis e nas escolas, maior o risco de propagação de RWIs.

Crianças da mesma família ou agregado familiar frequentemente tomam banho juntos e, por isso não são susceptíveis a aumentar o riso de propagação de doenças de ‘diarreias’ uns aos outros se utilizarem a mesma piscina. No entanto, quando se permite que um maior número de crianças oriundas de famílias diferentes use a piscina, aumenta o risco de propagação de doenças diarreicas. Qualquer agregado que decidir usar este tipo de piscinas de pequeno porte deve seguir os seguintes conselhos, para reduzir a propagação de doenças:

Antes de Usar a pequena piscina de plástico

  • Não permita que uma criança que está doente, com diarreia ou vómitos utilize a piscina.
  • Dê banho às crianças, com sabonete de limpeza, antes de utilizarem a piscina.
  • Converse com os pais sobre a saúde dos seus filhos antes que as mesmas crianças utilizem a piscina.

Durante a utilização da pequena piscina insuflável

  • Lembre às crianças para evitarem ingerir a água da piscina.
  • Esteja atento a fezes na piscina ou a uma criança com uma fralda suja.
    Limpe a piscina das crianças, esvazie e, deixe-a secar. No caso de incidentes de diarreia, depois de, a piscina estar limpa e completamente seca, deixe ao sol, pelo menos durante quatro horas.

Após a utilização da pequena piscina de plástico

  • Esvazie a piscina. Piscinas de plástico ou piscinas insufláveis de médio e grande porte que não podem ser esvaziadas diariamente, devem ter filtros e sistemas de desinfecção adequados que cumpram os mesmos códigos e normas, como para as piscinas de grande porte.
  • Limpe a piscina e deixe-a secar. Depois de, a piscina estar completamente seca, deixe-a ao sol por pelo menos quatro horas.

Lembre-se que estas pequenas piscinas de plástico também podem representar um perigo de afogamento se não forem devidamente supervisionadas.

Como escolher Piscinas de plástico ou piscinas insufláveis para crianças

Piscinas infantis de plástico rígido

O verão significa pura diversão sob o sol para a maioria das crianças, que estão em casa de férias da escola. Para as crianças que passam a maior parte dos seus dias ao calor, uma piscina no quintal é uma dádiva do céu. Piscinas de plástico são um complemento que pode trazer alegria e felicidade a crianças de todas as idades.

Por que devo escolher uma piscina de plástico?

Piscinas de plástico são ideais para famílias que têm falta de espaço no quintal para uma piscina ‘abaixo do solo’. Ter uma piscina de plástico que pode ser dobrada e guardada convenientemente após a sua utilização mantém o quintal livre para outras actividades. Para além disso, ao contrário de uma piscina permanente, as piscinas de plástico não precisam de cercas, calçadas de concreto ou pátios, produtos químicos tóxicos, bombas de água, nem de manutenção anual. As piscinas de plástico levam menos água do que as tradicionais piscinas permanentes, assim pode reduzir custos e preocupação com afogamento de crianças. Se o verão não for passado em casa, não tem que se preocupar com a manutenção da piscina, que não está a ser usada.

Piscinas insufláveis infantis

As piscinas de plástico mais baratas, são destinadas apenas para os bebés, utilizam pouca água, suficiente para a criança se sentar. O diâmetro é pequeno e são frequentemente insufláveis, por isso são mais macias e mais confortáveis, para essa faixa etária, do que as de plástico duro. As piscinas para bebés geralmente têm uma ‘sombra’ insuflável anexada ao lado da piscina, a fim de proteger a criança dos raios do sol. Os estilos das piscinas infantis são geralmente temáticos, a piscina por ser semelhante a um animal grande, como uma tartaruga, hipopótamo, baleia, ou o ainda a uma flor ou ilha tropical. Estas piscinas podem ter uma peça que ligada á mangueira, molhe o bebe, mas este spray de água pode ser opcional. Tendo o spray como opcional é maravilhoso, porque a maioria dos bebés não gostam de água jogada aos seus rostos.

Piscinas de plástico rígido

As piscinas de plástico para as crianças que são mais acessíveis e fáceis de usar são as piscinas de plástico com os lados rígidos. Estas piscinas são basicamente estruturas em forma circular que podem ser montadas e armazenadas após o uso. A maioria destas piscinas leva até cerca de 90 cm de água de altura em plena capacidade. A piscina de plástico básica, terá lados que se encaixam e fazem expandir a piscina para segurar a água e, portanto não requerem ferramentas especiais para a sua montagem. Normalmente, estas piscinas acomodam confortavelmente até seis crianças ou três adultos, e são feitas para relaxar, em vez de nadar. Para as famílias que pretendem comprar uma piscina para o seu quintal, mas têm falta de tempo, energia e espaço, este tipo de piscina de plástico é uma alternativa maravilhosa.

Piscinas de plástico ou Piscinas Insufláveis cada vez mais uma solução

Receia que o seu sonho de ter a sua piscina em casa é impossivél de realizar, porque não têm recursos para a mandar instalar? Temos boas notícias para si. Existem piscinas acima do solo que têm a mesma qualidade, de uma piscina instalada abaixo do solo. Para além disso, são mais baratas. De facto, piscinas de plástico são algumas das melhores soluções, disponíveis nos dias de hoje.

Ao contrário do que acontecia no passado, o plástico que é hoje utilizado para piscinas insufláveis é mais forte do que nunca. É por isso que raramente ouve histórias de horror sobre piscinas de plástico que explodiram, enquanto as crianças estavam a brincar nelas. A tecnologia moderna permitiu o uso de materiais mais fortes e mais custo eficazes no fabrico destas piscinas.

Outra inovação às piscinas modernas de plástico é, que as pode encher e esvaziar de ar, em poucos minutos, dependendo do tamanho da sua piscina. Tudo o que precisa de fazer é ligar a bomba de ar incorporada na piscina e observar o dispositivo a encher a piscina de ar. O dispositivo também pode medir a quantidade de ar na piscina, de modo a que não fique com ar a mais.

Para além disso, hoje as piscinas de plástico, no mercado, são mais leves do que nunca (naturalmente, sem água). Também são muito fáceis de armazenar. Assim, será mais fácil de arrumar de inverno e, pode levar a piscina consigo se for visitar parentes e afins.

Encher a piscina de água também é um processo simples é, só preciso ligar a mangueira. Algumas piscinas mais caras têm um sistema de bombeamento e de filtragem incorporado, para que possa ter a certeza de que a água da sua piscina de plástico está limpa e segura para a utilização de toda a família. Estas piscinas, estão disponíveis em muitos formatos e tamanhos. As piscinas insufláveis redondas são provavelmente as mais conhecidas. Mas também pode comprar piscinas de plástico quadradas, rectangulares e ovais. Da mesma forma, pode comprar piscinas com diferentes profundidades. Pode comprar uma piscina para as crianças ou uma mais profunda da qual os adultos também possam desfrutar.

Mas, só porque estas piscinas são mais duráveis do que nunca, não significa que não tenha que cuidar bem delas. Lembre-se de colocar a piscina sobre uma superfície plana que esteja livre de objectos pontiagudos como certos ramos ou pedras. Se possível, construa uma cerca em torno dela para que os animais vadios não a possam danificar e para evitar acidentes com as crianças.

Quando compra uma piscina de plástico, o fabricante geralmente oferecer-lhe alguns acessórios, tais como a escada da piscina de plástico, uma cobertura para cobrir a piscina, uma ‘garrafa’ de produtos químicos utilizados para manter a água da piscina limpa, e assim por diante. Se estes não estiverem incluídos no preço, terá que os comprar separadamente.

A escolha de piscinas de plástico não é tão difícil quanto possa pensar,

A escolha de piscinas de plástico não é muito difícil, Porque existem centenas de modelos e designs que se podem enquadrar no seu orçamento.
As piscinas de plástico para crianças são muito populares, especialmente durante a estação quente.
Existem muitos tipos diferentes, de piscinas de plástico, decoradas com vários temas. A conveniência destas piscinas de plástico é, que são de fácil manutenção. Simplesmente tem que encher com água da torneira.

Mas não nos vamos esquecer os adultos. Encontrará uma grande selecção de piscinas de plástico ‘acima do solo’, com tamanho suficiente para alguns jogos aquáticos, de adultos, algumas grande o suficiente para nadar. Existem muitas escolhas, e ficará feliz por ter feito um investimento, que oferece frescura a sua a família, durante a estação quente.

Qual a diferença entre o Cloro e o ozónio para piscinas limpeza de piscinas

Qual é a diferença entre as duas tecnologias?

O cloro é uma substância química complexa feita pelo homem, que teve o seu primeiro uso no famoso”gás mostarda” da Primeira Guerra Mundial. O ozónio tem sido usado durante mais de 100 anos, principalmente na Europa e, foi primeiramente usado para a purificação de água, controle de odores e em hospitais (ainda é usado clinicamente, hoje em dia).

O ozónio é feito de oxigénio ou O2, que é convertido por meio da electricidade em Ozónio ou O3. O ozónio é um oxidante muito mais poderoso do que o cloro. No entanto, a vida de “prateleira” do ozónio é limitada. O ozónio é considerado um desinfectante de”curto prazo” e o cloro é considerado um desinfectante de”longo prazo”. O cloro é também uma tecnologia entrincheirada. Tem sido amplamente utilizado e, continua como campeão de desinfecção e, tem muitos adeptos na indústria química e indústrias de natação e piscinas.
No entanto, como vimos nesta série, existem vários problemas associados ao cloro e, existem alternativas viáveis.
Como verificado, existem pesquisadores credíveis que afirmam que o cloro tem algumas consequências muito graves para a saúde, quando utilizado como desinfectante em piscinas. A pergunta óbvia é, por que é que a indústria das piscinas não adopta tecnologias alternativas numa base mais ampla do sector? Afinal a tecnologia de ozónio, para piscinas está em uso regular há mais de 50 anos, em países como a Alemanha, França e outros países europeus.
Vamos examinar algumas dessas questões. Para a água de beber ou de piscinas, a estratégia europeia é a utilização do ozónio para reduzir a carga orgânica na água. Quando o cloro é necessário para a desinfecção a longo prazo (como a distribuição de água através de um sistema municipal de distribuição de água), eles usam uma pequena quantidade de cloro, reduzindo assim o risco das pessoas que bebam a água.
É a matéria orgânica que pode causar problemas quando combinada com o cloro. Ao reduzir a carga orgânica, os europeus mantêm as cloraminas (as substâncias causadoras de câncer) a um nível muito baixo. O mesmo processo prevalece nos sistemas das piscinas europeias. Nas normas DIN alemãs, por exemplo, a estratégia é usar uma grande piscina de impulso “que o público não vê, para aplicar ozónio ou produtos químicos de desinfecção. Os subprodutos de desinfecção são então removidos por diversos processos de filtração antes de, a água ser devolvida para a piscina com uma pequena dose de cloro. Nestas normas, a água da piscina é essencialmente tratada de acordo com as normas da água para beber.
O modelo norte-americano desenvolveu-se sob circunstâncias muito diferentes das dos europeus. Na América do Norte, os produtos químicos foram adoptados plenamente por volta da mudança do século, como resposta aos modelos europeus de tratamento de água, que são maiores e mais caros. Aqui os engenheiros descobriram que podiam construir sistemas de tratamento de água e piscinas, a custos muito reduzidos se utilizassem o que era então considerado ‘químicos milagrosos’ para tratar a água. Os sistemas faziam o que tinham sido concebidos para fazer, que era ‘matar microrganismos’ que podem levar à doença e à morte. O que eles não previram foi que os produtos químicos como o cloro teriam subprodutos que se tornam muito perigosos para a saúde.
Estes novos sistemas estão agora a aparecer no mercado em número cada vez maior. A tecnologia está-se a tornar muito confiável. O ozónio começar a ganhar uma posição no tratamento de água para piscinas, também na América do Norte. Grandes cidades Norte Americanas, como Los Angeles, Dallas, Montreal e Canadá instalaram grandes sistemas de ozónio para tratamento de água. Alguns dos principais operadores de piscinas na América do Norte, incluindo o parque aquático da Disney usam a tecnologia de Ozónio. Há medida que os líderes da tecnologia continuam a procurar alternativas ao cloro, a aceitação da tecnologia é mais favorável.
Outros sinais encorajadores incluem a cidade de Fairhope, AL, que se tem destacado com a implementação de uma piscina olímpica que é explorada como ozónio, apenas com assistência química ligeira. Muitos consumidores também solicitam sistemas de ozónio para a piscina no seu quintal. O regulamento para as piscinas não obriga a usar cloro ou outros produtos químicos e muitos proprietários optam por sistemas de Ozónio.
Estes apercebem-se que deixam de ter os olhos vermelhos, erupções cutâneas e outras consequências na saúde devido a piscinas tratadas com cloro.
O ozónio é uma coisa boa. Gasta-se menos tempo na manutenção da piscina e, a piscina está mais limpa e, com água mais atraente. No futuro, esperamos que os preços de ozónio desçam e, á medida que os consumidores tomam conhecimento, a demanda por sistemas de ozónio vai certamente aumentar.