Como funciona o cloro para limpar piscinas?

O cloro é o produto químico mais frequentemente usado para manter piscinas e jacuzzis livres de bactérias que podem ser perigosas para os seres humanos.
O cloro mata as bactérias através de uma simples reacção química. A solução de cloro colocada na água é quebrada em vários produtos químicos diferentes, incluindo o ácido hipocloroso (HOCl) e o íon hipocloroso (OCl-). Ambos matam microrganismos e bactérias, atacando as bactérias nas paredes das células e destruindo as enzimas e estruturas dentro da célula, tornando-as oxidadas e inofensivas. A diferença entre o HOCl e o OCl- é a velocidade com que oxidam. O ácido hipocloroso pode oxidar os organismos em alguns segundos, enquanto o íon hipocloroso pode levar até 30 minutos.
Os níveis de HOCl e OCl- variam com o nível do pH da piscina. Se o pH for muito alto, não há HOCl suficiente na água e a limpeza da piscina pode demorar muito mais do que o normal. Idealmente, o nível do pH na piscina deve estar entre 7 e 8; 7.4 é ideal – este é o mesmo nível que o pH da lágrima humana. Depois do HOCl e OCl- terem feito a limpeza da piscina, ambos combinam com outro produto químico, como a amónia, ou dividem-se em átomos individuais. Ambos os processos tornam o cloro inofensivo. A luz do sol acelera estes processos. Tem que continuar a adicionar cloro à piscina, à medida que este quebra.

Desvantagens do cloro para piscinas

Embora as propriedades do cloro sejam muito úteis para matar bactérias, o cloro também tem alguns efeitos colaterais que podem ser irritantes para os seres humanos e, possivelmente, até mesmo perigosos. O cloro tem um cheiro muito característico que muita gente acha desagradável. Há também o factor ‘coceira’ – o cloro pode causar coceira e irritação a certos tipos de pele. O íon hipocloroso faz com que muitos tecidos desvaneçam rapidamente se não forem lavados imediatamente após a saída da piscina. É por isso que o seu fato de banho fica com aparência de velho tão rapidamente.

Algumas empresas desenvolveram alternativas ao cloro, incluindo outros produtos químicos e geradores iónicos. Algumas delas são boas alternativas, mas não conseguem a limpeza, níveis de oxidação ou baixo preço que o cloro oferece.

Alternativas ao Cloro para Piscinas

Subprodutos do cloro encontrados em piscinas estão ligados ao aumento da incidência de asma, problemas nos pulmões, abortos e câncer de bexiga, (de acordo com pesquisas credíveis conduzidas nos E.U., Canadá, Noruega, Austrália e Bélgica).
Um pesquisador observou que crianças de 10 anos, que passavam uma média de 1,8 horas por semana numa piscina coberta sofriam danos nos pulmões que esperaria ver num adulto fumante. Visto isto levanta-se a questão:

Existem alternativas viáveis ao cloro?

Ozónio e ultravioleta são as duas tecnologias mais citadas.

O ozónio é viável para as piscinas? Recentemente, uma piscina pública sem produtos químicos foi instalada em Fairhope, Alabama. Esta utiliza a tecnologia de ozónio e dispensa o uso de cloro completamente. Esta é pioneira das piscinas públicas na América do Norte.
O programa United States Navy Dolphin, tem mudado durante os últimos anos para a tecnologia de ozónio. Um porta-voz indicou que este sistema entregou a melhor qualidade de água vista (tendo em conta os outros sistemas que já tinham experimentado).
Muitas outras empresas privadas, públicas, comerciais, parques aquáticos e hotéis passaram a utilizar tecnologias de ozónio nas suas piscinas, à medida que as pessoas se tornaram mais preocupadas com os efeitos do cloro e derivados do cloro.

Para além da questão dos agentes cancerígenos e outros problemas de saúde, quais são os benefícios do Ozónio em vez do cloro?

Um dos principais problemas relacionados com a adopção de ozónio é que há um custo de capital inicial mais elevado para a piscina, em relação ao cloro. No entanto, a longo prazo a utilização de tecnologias de ozónio e ultravioleta reduzem os custos de operação e manutenção da piscina. Esses custos podem ser significativos. O cloro é famoso por destruir a infra-estrutura da piscina, oxidar o sistema de ventilação e destruir o forro da piscina, etc. O ozónio não coloca tais problemas.
A piscina tratada com ozónio estará muito mais limpa, o que significa que a sujeira, óleos, produtos orgânicos e outros materiais acabarão no sistema de filtragem muito mais rápido do que com os sistemas de cloro. Se o filtro e manutenção do filtro não for reforçada, o sistema de recirculação da piscina ficará lento e a piscina vai realmente parecer mais suja do que com o cloro. Entretanto, a manutenção adequada do sistema de filtro vai resolver esse problema.
Parte do problema na adopção de ozónio é, que os engenheiros, arquitectos, construtores e designers de piscinas não estão familiarizados com a tecnologia. Embora os sistemas de ozónio terem sido utilizados regularmente na Europa e outras regiões do mundo desde a década de 1950, as piscinas geralmente utilizam o cloro. Muitas pessoas nestas indústrias são relutantes em “mudar” e tomar tempo para se educarem sobre o uso correcto do ozónio.



Na Categoria Piscinas Fibra

Com as Etiquetas

Deixe o seu comentário


CommentLuv badge